Etiqueta:

2022

A ideia de que a saúde do planeta é tão importante como a saúde humana está a ganhar volume e a sustentabilidade é a sua força motriz. A ameaça crescente das alterações climáticas juntamente com a pandemia global da COVID-19 fez com que as tendências da sustentabilidade se acelerassem rapidamente, e estamos a ver cada vez mais energia a ser colocada na procura de soluções duradouras para moldar o nosso futuro.

Aqui estão algumas tendências de sustentabilidade a ter em conta em 2022:

Aumento do investimento nas questões ESG

O investimento está a ser orientado cada vez mais por considerações ESG, em portugês ASG (Ambiental, Social e Governança). Acionado pela COVID-19, o investimento nas questões ASG tem tido um impulso e espera-se que assim continue. Este enfoque crescente não só obriga as empresas a serem mais abertas sobre o seu impacto ambiental.

 

Energia renovável

Já lá vão os dias em que os combustíveis fósseis são a fonte de energia mais rentável. 

A COVID-19 causou uma queda nos preços do petróleo que tornou as energias renováveis muito menos competitivas e atrasou os trabalhos em certos projectos solares e eólicos em 2020.

No entanto, as energias solar e eólica tornaram-se as duas fontes de energia mais resilientes devido às medidas de encerramento da COVID-19. Enquanto a produção de electricidade para todas as outras fontes de energia diminuiu entre 2019 e 2020, a energia solar e eólica registou um aumento estimado de 1,6% no consumo final.

De acordo com um novo relatório da Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA), dos combustíveis eólicos, solares e outras energias renováveis que entraram em funcionamento em 2020, quase dois terços (62%) foram mais económicos do que o combustível fóssil novo mais barato. A reforma das dispendiosas centrais de carvão não só poupará milhares de milhões de dólares às economias emergentes, como também impedirá a emissão de cerca de três gigatoneladas de CO2 por ano. Isto é 20% da redução de emissões necessária até 2030 para evitar a catástrofe climática.

Espera-se que a mudança para as energias renováveis continue, uma vez que a ação para reduzir as emissões de carbono continua a ser uma prioridade para as empresas, consumidores, investidores e governos. Segundo a Euromonitor International’s Voice of the Industry: Sustainability Survey, 2021, 42,3% dos profissionais afirmaram que a sua empresa está a investir ou planeia investir na mudança para as energias renováveis.

Compensação de carbono

Apesar das enormes melhorias na qualidade do ar nas zonas urbanas e industriais durante os bloqueios da COVID-19, a poluição atmosférica continua a ser um problema crescente a nível mundial, devido a uma rápida recuperação após o primeiro pico da pandemia.

Com as preocupações sobre a poluição ambiental a aumentar globalmente e a ameaçar a saúde pública, um número crescente de empresas está a prometer descarbonizar as cadeias de abastecimento, logística e carteiras, criando oportunidades de inovação em produtos, serviços e tecnologias limpas.

A compensação de carbono tem a ver com a substituição ou redução das emissões de carbono. Normalmente, as empresas de altas emissões financiam projectos que ou evitam a emissão de gases com efeito de estufa (GEE) ou removem os GEE. Estes projectos podem variar desde a plantação de árvores até à implantação de tecnologia para a captura de emissões de carbono. Com o enquadramento das regras do mercado de carbono, os emissores com baixas emissões de carbono irão cada vez mais explorar o mercado de compensação de carbono.

 

Economia circular

Passar de um mundo linear para um mundo circular é não só uma forma de dissociar o crescimento económico da utilização de recursos e evitar desperdícios desnecessários, mas também um poderoso instrumento para reduzir as emissões e combater as alterações climáticas.

A economia circular, que estava a ganhar peso antes da pandemia entre consumidores e empresas, foi negativamente afectada pela COVID-19. Em Junho de 2021, cerca de um quinto dos profissionais relatou uma pausa ou atraso nas iniciativas relacionadas com o desperdício e a reciclagem. Euromonitor International’s Voice of the Industry: Inquérito de Sustentabilidade, 2020 já tinha destacado atividades como o aluguer e a compra de produtos em segunda mão que estavam a ser gravemente afectados pelo surto.

Escassez de recursos, volatilidade de preços, danos ambientais, redução de custos e benefícios reputacionais são fortes motores para uma maior transição para a economia circular. 

De net-zero a positivo para o clima

As nações e empresas comprometidas com a neutralidade climática estabelecerão mais cedo ou mais tarde os objetivos climático-positivos ou carbono-negativos. 

Grande, médias e pequenas empresas têm se esforçado para atingir uma economia net-zero até 2050, ou seja, equilibrar a quantidade de gás com efeito de estufa produzida com a quantidade retirada.

Embora se espere que a redução das emissões e a remoção do dióxido de carbono tenha impacto positivo no aquecimento global, é necessária uma positividade climática para enriquecer o ambiente a fim de inverter a degradação.

É possível que as empresas consigam ultrapassar este objetivo, e, para além de atingirem a neutralidade climática, removam mais gases com efeito de estufa do que os que emitem.Esta é a única forma de garantir um clima seguro para as gerações futuras.

 

Transparência das empresas quanto aos seus riscos climáticos

Para que haja progressos reais, as empresas e organizações precisam de ser transparentes quanto aos seus impactos ambientais. Estamos a começar a ver muito mais estados e cidades em todo o mundo a exigir que as empresas informem sobre as suas emissões e utilização de energia, bem como sobre o seu impacto social. Estas informações incluem as emissões de GEE, os resíduos e a utilização de água, e também o impacto ambiental dos produtos ao longo do seu ciclo de vida. O fraco desempenho social e ambiental poderia levar ao encerramento de organizações inteiras, mostrando ao mundo que uma ação climática insuficiente não é brincadeira. Responsabilidade, credibilidade e maior transparência é o futuro dos negócios.

 

Veículos eléctricos 

Enquanto a Índia procura alcançar a sua visão de veículos 100% eléctricos até 2030, haverá pressão sobre a indústria para obter a sua matéria-prima de forma responsável. A maior questão será superar o desafio de obter eletricidade a partir de fontes renováveis para carregar os veículos.

A sustentabilidade é o “novo normal”

Hoje em dia, parece que em quase todo o lado que olhamos, vemos produtos de consumo sustentáveis a substituir os seus homólogos tradicionais. Da produção alimentar e da moda aos produtos de estilo de vida, uma mudança inegável está a aumentar. É seguro dizer que a procura de produtos sustentáveis por parte dos consumidores tornará a sua produção obrigatória nos próximos anos, o que demonstra que nos estamos a tornar uma população mais eco-consciente.

Uma análise global de 2021 encomendada pelo World Wildlife Fund (WWF) e conduzida pela Economist Intelligence Unit (EIU) revelou que a popularidade das buscas de produtos sustentáveis na Internet em todo o mundo aumentou de forma espantosa 71% em apenas cinco anos. Este relatório foi conduzido em 54 nações do mundo, tanto em desenvolvimento como desenvolvidas. As pessoas falaram.

 

O tele-trabalho vem para ficar

É conveniente para muitos empregados e é também benéfico para o ambiente, uma vez que reduz as deslocações e os veículos na estrada e também a utilização de energia nos edifícios de escritórios, reduzindo assim as emissões. É uma situação vantajosa para os empregados e empregadores, bem como para o planeta. O trabalho a partir de casa vai continuar e tornar-se permanentemente institucionalizado como parte de um modelo de trabalho híbrido mais aceitável.

Base de dados

Com o foco na sustentabilidade, os dados abrirão portas não só para uma economia de baixo carbono, mas também para mostrar resultados aos reguladores, investidores e outros intervenientes. A análise de dados está cada vez mais detalhada e torna-se possível medir, gerir, registar e mostrar os resultados e atuar em conformidade com os mesmos de forma a minimizar o impacto ambiental das empresas.

 

Regulamento mais rigoroso

A regulamentação para a redução de emissões torna-se mais exigente e o cumprimento das medidas de combate às alterações climáticas é cada vez mais rigoroso à medida que avançamos e que os prazos do processo para uma economia net-zero se aproximam. 

 

Fontes: Positive Earth; Outlook India Magazine Online; Euromonitor International

subscrever newsletter

54 visualizações