Etiqueta:

green globe

O Verdelago está a nascer entre Altura e a Praia Verde, no Sotavento Algarvio, como um resort de natureza. Como surgiu a ideia deste projeto, quando passou à prática e quando estará concluído? 

O Verdelago Resort é um projeto turístico com um relevo ímpar na atração de novo investimento e criação de emprego no Sotavento Algarvio, concretamente no concelho de Castro Marim, um dos menos desenvolvidos da região.

Foi neste contexto e enquadramento que o Fundo Aquarius, FCR, gerido pela OXYCAPITAL, passou a integrar a estrutura acionista da Sociedade – detendo uma participação maioritária na Verdelago, Sociedade Imobiliária, S.A. –, tendo contribuído para um redesenho e redefinição do projeto inicial, transformando o esboço anterior num projeto de excelência em harmonia com o imaginário do Algarve selvagem e em sintonia com a natureza e com as tradições da região, que ulmina naquele que é o único resort de luxo de primeira linha de mar de todo o Sotavento algarvio.

O Verdelago, com uma frente de mar de mais de 1 km, carateriza-se por ser um resort de natureza de luxo inserido em mais de 85 ha de área e com apenas 8,7% de índice de construção. Será desenvolvido em várias fases, e contará com um aldeamento turístico com 340 unidades residenciais turísticas e um hotel de 5 estrelas com 197 quartos, com relevo ímpar não só para o concelho de Castro Marim, mas para todo o sotavento algarvio.

A primeira fase de construção, iniciada em novembro de 2020 encontra-se já em comercialização. Esta primeira fase é constituída por um conjunto de unidades de alojamento exclusivo, onde se incluem 102 unidades residenciais turísticas, das quais 57 estarão concluídas para entrega já no verão de 2022, dividindo-se em 24 apartamentos (T1, T2 e T3), 26 townhouses (V2 e V3) e 7 villas (V4 +1). As restantes 45 unidades estarão em fase de acabamentos.

Os preços começam nos 450.000€ para os apartamentos, 670.000€ para as townhouses e 1.550.000€ para as villas.  Com o início da atividade do Verdelago Resort, os utilizadores terão ao seu dispor o Clube do Aldeamento (com restaurante, bares, open market, esplanada, piscina infinita e zonas de estar), quatro campos de padel e dois de ténis, serviços de apoio familiar (babysitting e kids club), passadiços de madeira de acesso à praia, assim como diversos percursos pedonáveis e cicláveis por entre sobreiros e pinheiros, charcos temporários e uma lagoa.

Com um investimento estimado na ordem dos 270 milhões de euros, a desenvolver entre 7 a 10 anos, é o maior alguma vez realizado nesta zona do Algarve.

 

Quais serão as principais características do Verdelago?

O Verdelago Resort é um projeto singular a nível mundial, que faz parte de uma nova geração de resorts que respondem de forma positiva às dimensões de sustentabilidade social, económica e ambiental. Reforço que estamos a falar de apenas 74.000 m² de área total de construção em 86 hectares de terreno, correspondentes a um índice de construção de apenas 8,7%.

Temos cerca de 70 hectares de espaços verdes, incluindo um parque verde e de lazer com mais de 42 hectares e uma reserva natural em frente do mar com 24 hectares. Estamos a criar vários percursos de passadiços de madeira e a recuperar caminhos pedonáveis e cicláveis, com uma extensão total da ordem dos 7 km, numa envolvência rica de fauna e flora local (por entre pinheiros e sobreiros, charcos temporários e uma lagoa), incluindo zonas de descanso, interpretação ambiental (haverá mesmo um Centro de Interpretação, Proteção e Valorização Ambiental, algo inédito no sector) e desporto ao ar livre, incorporando áreas para conservação e promoção do habitat natural.

Não insistimos no tópico da sustentabilidade por ser retoricamente apelativo, mas porque o respeitamos na prática, numa monitorização e promoção contínuas e estou certo de que esta aposta nos permitirá ser uma referência a este nível.

Verdelago Villa

O que é um resort de natureza e como isso se reflete na experiência do cliente? 

A natureza como novo luxo é verdadeiramente uma realidade na vida das pessoas, exacerbada no contexto da pandemia, espelhada em vários sectores económicos, como o turístico e o imobiliário.

No Verdelago, é esse luxo longe do excesso que ofereceremos, com um foco nas experiências e no desfrutar da autenticidade característica da zona. Menos ostentação e mais apelo aos sentidos e ao bem-estar, mas com todas as comodidades e serviços de um projeto de luxo sustentável do ponto de vista económico e ambiental. 

Num Algarve menos massificado, poderão desfrutar de experiências únicas e personalizadas:

  • Como um piquenique ou uma massagem no Parque Verde ou na praia;
  • Um passeio a cavalo ao pôr-do-sol;
  • Uma visita à Reserva Natural do Sapal de Castro Marim, a uma das idílicas ilhas-barreira da Ria Formosa ou ainda a uma das vilas pitorescas da região, como Cacela Velha, ou à histórica Tavira.
  • Comprar legumes biológicos locais no open market, dentro do próprio resort, ou pedir que estes lhes sejam entregues na sua unidade;
  • Usufruir das várias piscinas de grande dimensão, incluindo a piscina do Clube do Aldeamento, com uma dimensão generosa e orientada a sul, que tem um transbordo “infinito” para a zona das charcas e do pinhal são apenas duas das infinitas possibilidades que terão ao seu dispor. 

É esta a vivência que o Verdelago Resort proporcionará, num conceito de imersão na natureza a 360°, com uma arquitetura não agressiva de escala humana, com uma linguagem contemporânea, mas com respeito pelos valores do local em que se insere, como tão bem a qualificou o Arquiteto Miguel Saraiva, da Saraiva e Associados, responsável pelo projeto. 

 

São o primeiro resort português a aderir à certificação green globe, desde a construção. No que consiste esta certificação? 

Sim, é com evidente orgulho que vemos o Verdelago Resort tornar-se no primeiro Resort Turístico no País a aderir à Certificação Green Globe desde a fase da Construção, tendo a Sustentabilidade como prioridade em todas as operações.

Esta é uma das mais exigentes certificações internacionais de turismo sustentável que reconhece hotéis/resorts, presente em mais de 90 países, que se comprometem a melhorar a gestão ambiental e social da sua atividade. A Green Globe é um membro afiliado da Organização das Nações Unidas para o Turismo (OMT) e o GreenGlobe Standard, que é atualizado anualmente, é reconhecido pelo Global Sustainable Tourism Council (GSTC)

Subjacente a esta escolha, encontra-se a nossa filosofia e escolhas conscientes. Nunca será demais referir que o Verdelago Resort pretende ser um agente local transformador, com uma pegada ecológica nula, contribuindo para o desenvolvimento económico e social da região onde se insere. O seu impacto ambiental será muito positivo, não apenas pelas suas escolhas ao longo do desenvolvimento de todo o projeto (que incluem, por ex., a primazia da economia circular no processo de construção, com recurso a mão-de-obra, materiais e bens locais ou a implementação do plano de mobilidade ligeira), como pelo estilo de vida que vai fomentar – responsável e em sintonia com o ambiente – através da poupança energética, de práticas de sustentabilidade e de consumo consciente, e respeito pela biodiversidade.

Por outro lado, foi concebido para se tornar numa unidade autossuficiente em termos energéticos. Todas as unidades do resort terão uma classificação energética elevada graças à utilização de fontes de energias renováveis, isolamentos eficientes, opções arquitetónicas que valorizam a luz natural e o espaço exterior, a utilização de materiais de grande qualidade, e equipamentos mecânicos e elétricos energicamente eficientes. 

 

A zona do Sotavento algarvio é muito rica na sua biodiversidade e nas tradições locais. Como o Verdelago se relacionará com a envolvente ambiental e social? 

O Verdelago Resort vive da natureza e da sua preservação. Temos por objetivo fazer com que o nosso o impacto na natureza seja mínimo. Criámos um santuário natural para as mais de 110 espécies diferentes de animais identificados no local, onde camaleões, sapos, rãs, borboletas, coelhos, guarda-rios, patos reais, gaios, poupas e até cegonhas brancas, entre inúmeras outras espécies, são não apenas monitorizados por associações independentes, como protegidos.

Temos uma enorme preocupação com o ambiente, com o seu impacto na paisagem. Por isso quer do ponto de vista arquitetónico quer na escolha de materiais procurámos ser sustentáveis optando por um conjunto turístico de 5 estrelas adequado aos atuais desafios ambientais, de mobilidade e de racionalidade.

É um projeto único inserido numa paisagem única, onde a nossa intervenção se funde verdadeiramente com a Natureza nunca se caindo no erro de se lhe sobrepor.

 

Townhouse Verdelago

 

Acreditam que a pandemia que atravessamos tem e terá impacto na escolha dos consumidores? A pegada ambiental será fator crítico de decisão?

Como referi, a natureza como novo luxo é verdadeiramente uma realidade na vida das pessoas, que ganhou força no contexto da pandemia e terá as suas repercussões em variadíssimos sectores, nos quais o turístico e o imobiliário se incluem.

Pelas suas condições de exceção, a sua localização, construção certificada, biodiversidade e proximidade do mar, o Verdelago Resort responde não apenas aos desígnios dos atuais clientes, como aos do futuro, num mercado global cada vez mais exigente, que coloca em primeiro lugar o respeito pelo ambiente e as experiências autênticas. São clientes que querem ser parte ativa de toda uma mudança de paradigma e que têm as questões de sustentabilidade como importantes nas suas escolhas, por reconhecerem o impacto positivo que estas lhes trazem ao seu bem-estar no dia-a-dia. 

 

Quem será o cliente-alvo do Verdelago?

O Verdelago Resort, pela sua localização e conceito, é verdadeiramente único e muito diferente do clássico mercado algarvio.

Mais do que falar em cliente-alvo, posso adiantar que mais de 50% das unidades que estarão prontas para entrega no verão de 2022 foram reservadas ainda na fase anterior ao lançamento comercial. São, na sua maioria, portugueses, espanhóis (até pela proximidade com o país vizinho – a menos de 20 minutos da fronteira e a cerca de  1h30 de Sevilha), brasileiros e americanos que, com a pandemia, procuram cada vez mais investir, viver e ou trabalhar em imóveis com boas áreas, com retorno garantido elevado (5%), com elevados padrões de segurança e em localizações de baixa densidade populacional e sustentáveis, onde possam adotar um novo estilo de vida, passando tempo de qualidade em família e em contacto o mais possível com a natureza. 

 

Qual a vossa visão para o futuro do turismo no Algarve e especificamente no Sotavento?   

É inegável que o contexto pandémico veio acentuar uma tendência que já era notada de uma maior procura da comunhão com a natureza, por pessoas de todas as idades, nas suas múltiplas actividades e escolhas de vida, que incluem o turismo e o imobiliário residencial. A vontade de conciliar o trabalho com a família, os tempos livres, os amigos e a prática de exercício saiu muito reforçada. 

No Verdelago Resort, que se insere no imaginário do Algarve selvagem, sentimos que a preservação e fomento da biodiversidade e a preocupação com a sustentabilidade, aliadas à oferta de soluções turísticas residenciais com áreas generosas e espaços exteriores que possibilitam a implementação de todo um novo estilo de vida onde o “workation” está cada vez mais presente, são um dos nossos principais trunfos. 

Neste contexto, o Sotavento algarvio, tantas vezes apontado como um Algarve com menos brilho, pela sua menor massificação e oferta, ganhará muitíssimo valor porquanto os protagonistas saibam respeitar a sua natureza intocada, não a desvirtuando. O futuro será sempre o de um turismo que faz parte da solução das regiões nas quais se insere e não do problema. 

Paulo Monteiro

Diretor-Geral do Verdelago Resort

Nasceu em 1968 e licenciou-se em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico em 1991. Iniciou a sua carreira profissional no grupo Teixeira Duarte, onde permaneceu durante 23 anos. Exerceu funções de Diretor de Obra, Diretor de Sub-Centro de Produção, Diretor de Centro de Investimentos Imobiliários e Diretor Geral da Área Imobiliária, assumindo entre 2011 e 2014 a direção das áreas de Gestão de Património, Expansão e Imobiliária de todo o grupo. Entre os inúmeros projetos que teve sob a sua responsabilidade nas áreas de Habitação, Turismo, Comércio, Indústria e Escritórios, destaca-se todo o desenvolvimento do “Lagoas Parque” em Oeiras, considerado como um Parque de Escritórios de referência a nível Europeu.

Está desde 2015 na Gestão de Investimentos Imobiliários, Turísticos e Industriais, de sociedades sob a gestão da Oxy Capital, onde exerce, entre outras funções, a de Diretor do WestCliffs Resort, em Óbidos, e Diretor-Geral do Verdelago Resort, entre Altura e a Praia Verde, em Castro Marim.

subscrever newsletter

88 visualizações