Pretty Mutts: uma marca portuguesa que doa parte da receita – Entrevista com Marta Afonso

por kalimero
564 visualizações

Qual o posicionamento da Pretty Mutts no mercado das coleiras e acessórios para cães? Em que se diferencia?

Os acessórios criados pela Pretty Mutts são feitos à mão e aliam um design que pretende ser bonito e minimalista com a durabilidade, através da utilização de materiais sustentáveis e de qualidade. Um dos maiores propósitos da marca é também ajudar associações e canis locais ao doar parte da receita das vendas.

 

Fiz imensas pesquisas sobre o que havia disponível no mercado português, contudo não encontrei nenhuma marca que fosse sustentável e que sobretudo não usasse plástico na sua composição.

 

 

De onde surge esta ideia? Onde se inspiraram?

A ideia surgiu quando, depois de ter adotado a minha cadela Matilda de um canil, voltámos para casa e precisávamos de uma coleira e de uma trela.

Fiz imensas pesquisas sobre o que havia disponível no mercado português, contudo não encontrei nenhuma marca que fosse sustentável e que sobretudo não usasse plástico na sua composição.

Em vez de comprar, pensei que poderia ser eu a fazê-las! Aliei então o hobby que já tinha de fazer pequenos projetos pessoais de costura à questão da sustentabilidade, que é um tema bastante presente no meu dia-a-dia desde há muito tempo, bem como a vontade de ajudar animais que não têm família.

Consegui juntar todas estas paixões ao criar produtos que refletissem todos estes interesses e assim nasceram trelas, coleiras e acessórios sustentáveis, com um design bonito e com um propósito solidário: uma parte das vendas reverte no apoio a canis e associações de bem-estar animal. O próprio nome da marca, que traduzido para português, significa “Rafeiros Bonitos” foi inspirado precisamente nos cães abandonados que pretendemos ajudar.

 

 

O que faz destes produtos ecológicos?

Sobretudo os materiais com que trabalho, que são fitas e cordas de cânhamo orgânico, cortiça portuguesa e acessórios de metal (fecho, argolas, etc.). Os materiais foram escolhidos de modo a evitar o uso de couro e plástico, que são comumente usados neste tipo de produtos, e bem menos “amigos do ambiente”.

Algumas das coleiras são produzidas com fita de cânhamo colorida e a coloração é feita por mim, utilizando pigmentos que também são ecológicos.

O packaging foi pensado com bastante cuidado para evitar a 100% o uso de plástico e tinta. A embalagem é uma caixa de cartão com o logo gravado a laser, em vez de ser impresso, e no seu interior os acessórios são embrulhados com papel kraft.

Até para fechar a caixa para o envio utilizo fita-cola de papel.

 

Porquê a escolha da cortiça como matéria-prima?

Escolhemos a cortiça porque é um material sustentável e com características semelhantes com acabamento e textura macio e liso sendo um material perfeito para fazer coleiras.

Tem ainda a grande vantagem de ser um produto português. A cortiça é removida do tronco dos sobreiros que volta a crescer anos mais tarde e por isso é uma alternativa mais amiga do ambiente e sem o uso de produtos de origem animal ou plástico.

 

Penso que a questão da sustentabilidade é um fator decisivo no ato da escolha por parte das pessoas.

 

 

O facto de ser “handmade” acrescenta valor? Os clientes valorizam este fator?

Todas as coleiras, trelas e acessórios são feitos à mão e os nossos clientes valorizam bastante esse aspeto, pois sabem que de certa forma cada produto é único e feito em pequena escala. Desta forma existe também mais margem para fazer pequenos ajustes pedidos pelos clientes, principalmente no tamanho das coleiras e trelas e ainda sem qualquer custo adicional.

 

 

Que feedback têm tido por parte dos clientes?

Até ao momento temos recebido um feedback muito positivo. Os clientes apreciam sobretudo o design por ser minimalista e o recurso a materiais de origem natural. Ficam bastante satisfeitos por ver que temos cuidado na escolha dos materiais e que ainda somos atenciosos na maneira como embalamos os nossos produtos e o nosso esforço por evitar o uso de plástico.
Penso que a questão da sustentabilidade é um fator decisivo no ato da escolha por parte das pessoas.

Muitos deles referiram ainda que iriam voltar a comprar os nossos produtos no futuro.

 

Qual o vosso produto estrela e como se caracteriza?

O produto estrela é sem dúvida a coleira de cânhamo natural. A coleira é feita com uma fita de cânhamo orgânica com a cor natural complementada com fecho e acessórios em metal, com a possibilidade de escolha de três cores, dourado, prateado e rose gold.

 

Um dos grandes objetivos deste projeto é ajudar cães que se encontram em canis e associações

 

Uma parte da receita do projeto é doado a uma instituição. Fale-nos um pouco desta iniciativa.

Um dos grandes objetivos deste projeto é ajudar cães que se encontram em canis e associações. Neste momento doamos 10% da receita à associação que na altura resgatou a Matilda, a Associação Quinta Porto Sobreiro. No futuro pretendemos alargar esta ajuda a mais instituições à medida que o projeto for crescendo.

 

Quais os próximos passos e objetivos da Pretty Mutts?

O próximo passo é sem dúvida alargar a aposta no mercado português. Neste momento os nossos produtos só se encontram à venda na plataforma ETSY em que os principais utilizadores não são portugueses. Desta forma vamos criar um site em português para poder chegar ao público nacional.

Em termos de produtos para já vamos disponibilizar a opção de personalizar a coleira ao colocar o nome do cão e outra informação adicional, caso o cliente queira, na etiqueta de cortiça.

Vamos também lançar um conjunto de brinquedos para cães feito com corda de cânhamo orgânica uma vez que não contém pesticidas nem químicos e é perfeitamente seguro para a saúde dos animais.

Por fim, vamos apresentar uma nova coleção com mais coleiras feitas em cortiça portuguesa.

Conheça os produtos da Pretty Mutts em http://www.etsy.com/shop/prettymutts

 

 

Marta Afonso,
Founder

Nasceu em 1990 e é natural da Vila da Fuzeta. É arquiteta paisagista formada desde 2014 pelo Instituto Superior de Agronomia, e participou na elaboração de planos de ordenamento do território nacionais e internacionais.
Atualmente trabalha na pos-produção e edição de conteúdos audiovisuais na empresa Coding Heroes.

Artigos Relacionados

Scroll Up