Etiqueta:

unesco

Com o objetivo de impulsionar a transformação digital do sector de educação e capacitar todos os seus intervenientes para a utilização das Tecnologias dee Informação e Comunicação (TIC), a Huawei e a UNESCO anunciaram o lançamento do projecto Technology-Enabled Open Schools for All (TeOSS) no Gana, na Etiópia e no Egipto.  Desenvolvida para dar resposta a necessidades locais específicas, esta iniciativa foi planeada em estreita colaboração com os respectivos governos e vai ao encontro das estratégias nacionais em curso nos países do continente africano incluídos neste programa de Responsabilidade Social.

Com uma forte e estruturada ligação ao sector da educação desde a sua fundação, a Huawei integrou o TeOSS no Tech4Edu, o qual faz parte do programa umbrella TECH4ALL, iniciativa de inclusão digital da multinacional onde também estão incluídos programas atualmente desenvolvidos em Portugal, nomeadamente a ICT Academy, o Seeds for the Future, o SmartBus, a Summer School for Female Leadership in Digital Age e o laboratório de 5G + IA 5GAIner, inaugurado em Novembro passado na Universidade de Aveiro.

Alinhado com o SDG4 da ONU, que visa garantir uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos, o TeOSS servirá como base para impulsionar a transformação digital do sector de educação e apoiar os três estados-membros da UNESCO no desenvolvimento de sistemas de educação resilientes que podem resistir a interrupções globais, como COVID-19. A avaliação dos resultados do projecto ajudará a orientar estratégias e modelos para expandir o TeOSS da Huawei a nível nacional e para alargá-lo a outros países do continente africano, no intuito de impulsionar a integração das TIC no ensino e na aprendizagem.

Além de conectar escolas, os projectos TeOSS no Gana, na Etiópia e no Egipto vão disponibilizar formação para professores e alunos quanto à utilização de ferramentas digitais, estabelecendo ainda plataformas online para vincular a aprendizagem escolar e em casa. Esta iniciativa da Huawei tem também em vista desenvolver currículos digitais cujo acesso pode ser remoto e sem supervisão. O objetivo passa por ajudar os alunos a tornarem-se cidadãos digitais confiantes, capazes de navegar no mundo virtual de forma independente, assim como dotar os professores das capacidades necessárias para tirar partido das novas ferramentas digitais existentes, para que assim possam maximizar os resultados de aprendizagem.

Segundo Stefania Giannini, Subdirectora Geral de Educação da UNESCO, o projecto TeOSS “foi pensado para testar modelos de escolaridade que possam responder imediatamente aos novos desafios impostos pela pandemia e também alavancar a tecnologia para possibilitar o desenvolvimento de modelos futuros de escolarização”. Acrescentou a responsável da UNESCO que se trata de um modelo de escola digital “que torna os programas acessíveis a todos os alunos, seja em tempos de crise ou não – queremos ultrapassar a situação atual e abrir um novo horizonte de ensino e aprendizagem”.

No Egipto, uma estrutura de capacitação na área das TIC foi desenvolvida para professores e alunos em escolas K12. Especialistas em desenvolvimento de cursos digitais e professores do ensino primário e secundário vão receber formação, e um futuro Centro Nacional de Formação à Distância vai beneficiar educadores em todo o país, de maneira a garantir a continuidade no desenvolvimento profissional. Já na Etiópia, o TeOSS da Huawei vai centrar-se na construção de infraestruturas de TIC para conectar escolas-piloto, formar professores e alunos e construir um Sistema de Gestão de Aprendizagem integrado com uma Plataforma de Formação de Professores. Quanto ao Gana, o foco está na criação de conteúdos digitais para todas as disciplinas do currículo escolar, bem como na formação de professores e alunos nos estabelecimentos de ensino primário e secundário – o projecto também tem em vista a criação de um directório electrónico ao qual os professores podem recorrer para fazer upload de conteúdos, cujo acesso online e offline é igualmente aberto aos alunos.

As plataformas digitais que as TeOSS dotadas de tecnologia vão ter a capacidade de criar abrem caminho para que a aprendizagem nunca seja interrompida, independentemente do que o futuro nos reserva”, disse Kevin Zhang, CMO de ICT Infrastructure da Huawei, fazendo ainda questão de salientar que a empresa “está totalmente comprometida em trabalhar com a UNESCO, governos e demais stakeholders interessados em desenvolver projetos bem-sucedidos, sustentáveis e escaláveis”.

subscrever newsletter

96 visualizações

O fenómeno do plástico nos oceanos é uma realidade para a qual, felizmente, estamos cada vez mais conscientes. No entanto, não é a única preocupação que devemos ter com os oceanos. Por esse motivo, a jornalista Nysse Arruda criou o  Centro de Comunicação dos Oceanos, que viu o projeto “CCOceanos: The Ocean Decade” ser comissionado pela UNESCO-COI. Descubra tudo, na entrevista abaixo.

Centro de Comunicação dos Oceanos - evento

 

O que é o Centro de Comunicação dos Oceanos-CCOceanos? Qual o seu propósito?

O Centro de Comunicação dos Oceanos-CCOceanos é uma série de palestras LiveStream a abordar os mais diversos tópicos relacionados com os oceanos, interligando os Países de Língua Portuguesa e tornando Portugal um centro de partilha de informação atualizada e conhecimento acerca dos oceanos, uma iniciativa lançada em Julho de 2018.

 

Em que consiste a parceria institucional com a UNESCO-COI?

O CCOceanos foi comissionado pela UNESCO-COI para realizar em Lisboa uma série de Palestras ao longo de todo o ano sob o título CCOceanos: The Ocean Decade reunindo  oradores portugueses e dos demais países de Língua Portuguesa via LiveStream, com uma divulgação internacional nas plataformas digitais da UNESCO-COI. 

 

Os oceanos enfrentam uma miríade de problemas – acidificação, poluição plástica e por derramamento de petróleo, sobrepesca, alterações climáticas, destruição de habitats, diminuição da biodiversidade etc

 

Como surgiu a ideia de constituir este centro?

Como jornalista especializada em vela oceânica há mais de 20 anos – reportando os principais eventos náuticos internacionais como a Volvo Ocean Race, America’s Cup, Jogos Olímpicos  etc. –  tenho acompanhado a evolução do problema de poluição nos oceanos em todo o mundo.

Como jornalista é um dever trazer informação ao público em geral e foi por isso que criei em 2018 o CCOceanos – para partilhar informação atualizada e conhecimento sobre os oceanos – pois acredito que é só através do conhecimento que se mudam as atitudes.

 

Quais os principais desafios que enfrentam os oceanos hoje em dia?

Os oceanos enfrentam uma miríade de problemas – acidificação, poluição plástica e por derramamento de petróleo, sobrepesca, alterações climáticas, destruição de habitats, diminuição da biodiversidade etc. etc. São vários problemas complexos que os cientistas ainda estão a descobrir as consequências.

 

O que pode fazer cada um de nós individualmente para os proteger?

Tomar consciência de que tudo o que atirarmos para o lixo ou para o chão – nas ruas, nas estradas, nos rios, nos campos – vai parar ao mar e causar poluição do ambiente e dos oceanos. Como cidadãos devemos ter consciência que cada ato diário pode impactar o ambiente marinho. 

Assim, creio que é importante evitar o uso de plástico em geral, separar corretamente o lixo doméstico, adquirir produtos locais e de comércio justo (o lema ‘recusar, reduzir e reciclar’ se aplica a quase tudo) mas principalmente devemos exigir leis e normas governamentais que protejam o ambiente marinho e terrestre. É necessário consciencialização e cidadania!

 

Quais as principais iniciativas que têm vindo a organizar?

Uma série de palestras LiveStream a abordar os mais diversos tópicos relacionados com os oceanos, interligando os Países de Língua Portuguesa e tornando Portugal um centro de partilha de informação atualizada e conhecimento acerca dos oceanos, uma iniciativa lançada em Julho de 2018.

Centro de Comunicação dos Oceanos - Live Stream

 

Portugal é sensível a este tema, comparativamente com outros países?

Depende das regiões – considero que a população dos Açores e da Madeira, bem como da área da Ria Formosa, estão muito mais sensibilizadas. Nas grandes cidades como Lisboa e Porto é horrível ver o desleixo e negligência da maioria dos habitantes. Há países muito mais atentos e conscientes em relação ao ambiente marinho como por exemplo a Nova Zelândia e a Austrália e muitas ilhas do Índico e do Pacífico onde os efeitos da poluição marinha e das alterações climáticas já se fazem sentir.

 

Em Abril decorreu a 1.ª Palestra CCOceanos:The Ocean Decade. Quais os principais conclusões deste evento?

O CCOceanos não tira conclusões, informa. O objetivo é partilhar informação sobre os mais diversos temas relacionados com os oceanos trazendo os pontos de vista de diversos oradores que têm um background muito diferenciado – desde cientistas e investigadores, a surfistas, velejadores, engenheiros, pescadores, peixeiras etc.

 

Quais são os próximos passos do centro? Quais o caminho que ainda falta percorrer?

Como referi nas perguntas anteriores a atividade do CCOceanos está em trabalho de continuidade permanente com a organização e curadoria de uma série de palestras LiveStream a abordar os mais diversos tópicos relacionados com os oceanos, interligando os Países de Língua Portuguesa e tornando Portugal um centro de partilha de informação atualizada e conhecimento acerca dos oceanos. Falta-nos  incrementar ainda mais o alcance destas palestras de forma a chegar a uma cada vez mais larga audiência em Língua Portuguesa.

Saiba mais sobre o CCOceanos assistindo a este vídeo www.youtube.com/CCoceanos

Nysse Arruda - Centro Comunicação dos Oceanos

Nysse Arruda

Fundadora Centro de Comunicação dos Oceanos

Jornalista internacional especializada em desporto à vela oceânico há mais de 25 anos tendo reportado os principais eventos náuticos mundiais (Whitbread Race, America’s Cup, Volvo Ocean Race, Jogos Olímpicos, Campeonatos Mundiais etc.). Foi colaboradora dos principais jornais portugueses (Público, Diário de Notícias e Expresso) e autora do primeiro website sobre desporto à vela em língua portuguesa – www.nyssearrudasailing.com, 2010-2013.

Como autora, escreveu e produziu vários livros sobre desporto à vela – Whitbread Race Round the World 1989-90 (primeiro livro em português do evento, editado no Brasil); Portugal Telecom e Patrocínio à Vela no Brasil e Portugal 2004; Campeonatos Mundiais de Vela ISAF Cascais 2007, America’s Cup World Series-Cascais, 2010; Volvo Ocean Race 2011-2012, escala de Lisboa; Fundação Mirpuri – A Jornada Impossível, 2017.

Atuou também como repórter especial na Expedição Antártica da Marinha do Brasil em 1986, a acompanhar a visita do navegador polar brasileiro Amyr Klink, e participou na Regatta Columbus 1992 a bordo do navio polaco Dar Mlodziezy em todo o percurso desde Lisboa, Cádiz, Canárias, Porto Rico, Nova Iorque e Boston, e Inglaterra.

315 visualizações